Manter a Wiki no ar gera custos, nos ajude com isso nos apoiando através de https://apoia.se/runarcana com qualquer valor!

Vários Tiers de recompensa trazem recompensas especiais aos que apoiam continuamente.

Targon

From Runarcana Wiki
This page contains changes which are not marked for translation.

Este artigo está em conformidade com a versão 0.93 do Runarcana RPG

“O Monte Targon é a mais imponente montanha de Runeterra; uma torre gigantesca de rochas endurecidas pelo sol em meio a uma variedade de cumes. Nada igual em escala em qualquer lugar do mundo. Localizado longe da civilização, o Monte Targon é deveras remoto e impossível de alcançar, exceto pelos exploradores mais determinados. Muitas lendas estão ligadas ao Monte Targon e, assim como qualquer lugar que pertence a um mito, é um farol para sonhadores, loucos e exploradores em busca de aventura. Algumas almas corajosas tentam escalar a montanha impossível, talvez em busca de conhecimento ou iluminação, ou talvez atrás de glória ou para atender outro desejo da alma ao ver seu auge. A subida é quase impossível, e até mesmo para aqueles poucos que, de alguma forma, sobrevivem a chegada ao topo jamais falam sobre o que viram lá. Alguns voltam com uma assombração de olhares vazios em seus olhos, outros mudam completamente, imbuídos de um Aspecto de poder sobrenatural e que vai além da humanidade, com um destino que poucos mortais podem compreender. ”

Targon pode ser dividido em regiões distintas, delineadas pelos padrões na rocha e pela piora gradual das condições climáticas, da dificuldade da subida e dos números de fatalidades. Os níveis superiores da montanha se expandem e se contraem como se a própria terra fosse viva, impedindo o mapeamento de uma rota confiável até o topo. Cada subida é diferente, pois a montanha magicamente se alarga. Algumas podem durar meses, enquanto outras, apenas um dia.

O pé da montanha abriga uma grande variedade de condições climáticas, o que cria climas propícios à caça, à busca por alimentos, ao pastoreio de animais e à manutenção da vida dos Rakkor. Na primavera e no verão, a flora e a fauna vêm à vida, o que possibilita a sobrevivência diária até mesmo nestas encostas tão íngremes.

A vegetação cresce exuberante na superfície sobrenatural da montanha durante o verão, quando há água fresca em abundância e quando os pastores conduzem seus rebanhos aos pastos no sopé. Para os Rakkor, esses padrões colossais na rocha são a prova de que a montanha foi forjada por seres divinos.

Um lago, congelado há milênios, foi sendo lentamente arrastado montanha acima em direção ao Reino Celestial. Por mais bem treinados que sejam os alpinistas, o ar rarefeito e os incontáveis riscos da montanha fazem com que quase todos morram em sua escalada até o cume do Monte Targon. Os corpos desfalecidos congelam onde caíram, preservados para sempre na atmosfera fina e fria da montanha e atuando como avisos macabros àqueles que seguem. Alguns alpinistas se deparam com visões divinas e testes de caráter e fé. Às vezes, eles enxergam imagens fantasmagóricas de entes queridos que tiveram de deixar na encosta a fim de continuar sua jornada - ou ainda personificações de seus medos mais profundos. Outros enfrentam feras grotescas incrustadas no gelo com dentes de pedra afiada. Cada jornada ao topo é extremamente diferente, ao ponto de que as escaladas podem durar uma única noite ou vários meses.

Personagens

Ao criar um personagem dessa região, você recebe proficiência com os seguintes:

Idioma. Escolha um entre: Targonense ou Rakkor

Perícia. Escolha uma entre: Arcanismo, Atletismo, Furtividade, Intimidação, Intuição, Medicina, Percepção, Religião ou Sobrevivência.

Arma. Escolha duas duas armas para ter proficiência entre: Adaga, arco curto, uma arma marcial, khopesh ou chakram

Ofício. Escolha um entre: um ofício de Artesão ou Navegador

A Montanha

O caminho que circunscreve a montanha foi entalhado na rocha, criando abrigos que protegem os Rakkor, também foram moldados mercados, casas, pontes e câmaras cerimoniais usando as formas da própria montanha. Os desenhos circulares das abóbadas de pedra servem como lembrança dos seres celestiais que criaram este lugar. Algumas famílias inscrevem símbolos nas rochas ao lado de suas casas para marcar eventos importantes e, assim, registrarem suas histórias geração após geração.

Usando a curvatura natural da rocha, os Rakkor esculpiram rotas e escadarias de pedra que levam às seções inferiores da montanha. Painéis de tecido grosso sustentados por fibras de corda trançada oferecem abrigo contra o vento e a neve e em certos enclaves ao redor da montanha, os foram abertas trilhas nas cavernas labirínticas e túneis dentro da rocha onde eles se abrigam de tempestades violentas e outras intempéries.

Rakkor

Os Rakkor, habitantes das sombras das estruturas ciclopeanas, acreditam ter sido chamados à montanha por poderes misteriosos. Alguns creem que os padrões nas rochas eram, em tempos passados, um mapa dos reinos além dos céus; outros dizem que as inscrições profetizam uma grande guerra que devastará as terras e colocará irmão contra irmão. Apesar de tais especulações, a verdadeira origem e propósito dos padrões na rocha ainda são um mistério.

Os Solari

O grupo religioso dominante em Targon, os Solari, acreditam que o sol seja a fonte de toda a vida. Para eles, qualquer outra fonte de luz é, além de falsa, uma ameaça ao futuro de seu povo. O Templo Solari fica nas encostas do Monte Targon, onde discípulos são ensinados as escrituras de sua fé. Os templários guerreiros, os Ra’Horak, praticam por anos sob as condições mais severas para que possam defender as terras de exércitos invasores e executar hereges com justiça divina. Sob a crença de serem abençoados com a força e virilidade do sol, eles treinam para ser menos suscetíveis ao frio.

Os Lunari

Os Lunari, uma seita ancestral e oculta, têm como objeto de adoração a luz sagrada da lua de prata. Eles praticam suas crenças em segredo, escondendo-se dos Solari, que buscam expulsar os Lunari para sempre da montanha. Conta-se que, há muito tempo, os dois grupos coexistiam, vivendo em paz e adorando os muitos corpos celestiais como um povo só.

Uma das práticas dos Lunari é mapear os movimentos celestiais para adivinhar o futuro. Algumas sacerdotisas usam colares de vidro-dalua espelhado, acreditando que os reflexos podem revelar verdades ainda maiores, ao passo que algumas videntes Lunari vedam seus olhos durante o dia, treinando para ver somente na escuridão, pois apenas sob a luz pura da lua a verdade é revelada. Raras e proibidas, as Armas Lunari são forjadas de pedra orbe iridescente, normalmente elas apresentam desenho elegante, sutil e fácil de esconder como uma das características dessa religião proibida.

O Templo Solari

A entrada do Templo Solari nas encostas orientais da montanha foi esculpida em mármore com detalhes dourados. As janelas foram entalhadas no templo em pontos bastante específicos, de modo que a luz do sol invadisse as câmaras internas durante os equinócios e solstícios. Escribas e acólitos às vezes passam o inverno abrigando-se no calor relativo dos templos, conduzindo rituais divinos que invocam o poder do sol e mapeando os movimentos das estrelas. Em tempos difíceis, padres Solari podem passar semanas meditando no sacrário externo, sem água nem comida, tirando todo o seu sustento do sol - a fonte de toda forma de vida.

Neste espaço sagrado, aspirantes buscam um lugar entre os Ra’Horak, os templários dos Solari. Se o aspirante se provar digno, é admitido no grupo de guerreiros de elite. Este santuário foi construído para exibir importantes eventos celestiais, observáveis através de suas janelas cuidadosamente posicionadas.

Teste da Montanha

As encostas superiores do Monte Targon, implacáveis até mesmo para os mais experientes alpinistas, são atormentadas por ventos frígidos, tempestades árticas e avalanches frequentes. Com seu ar rarefeito, cada fôlego é um ato laborioso e doloroso. Aqueles que sobrevivem à escalada descrevem as noites duras em que tentaram se abrigar do frio rigoroso, onde dizem testemunhar estranhas visões de figuras etéreas. Os elementos mais perigosos da escalada não são suas condições climáticas, mas sim o modo como ela testa o caráter de cada alpinista. Os Rakkor veem a subida como um teste, não só de força e resiliência, mas também de espírito e alma; afinal, os alpinistas se deparam com visões que os distraem de sua jornada. Algumas são mais benevolentes, conduzindo os alpinistas ao caminho mais seguro durante uma tempestade de neve ou ajudando os exaustos a se colocarem de pé novamente.

Os viajantes às vezes escalam em grupos para ajudar uns aos outros na subida. Quando um alpinista se fere gravemente ou se exaure a ponto de não mais poder seguir, não há mais esperança de resgate; qualquer tentativa seria uma missão suicida. Os cadáveres não se decompõem em tamanha altitude, mas parecem se fundir à rocha, entrelaçando-se gradativamente aos padrões circulares e aos sulcos da montanha.

Nos pontos mais altos, ventos inclementes e barrancos de neve perigosos desafiam o ciclo natural das estações, criando um inverno sem fim. Aqui, as formas sobrenaturais criam padrões incomuns e formações rochosas que compõem uma paisagem estranha e perigosa para exploradores perdidos. Plantas e animais são presenças raras na atmosfera rarefeita e no clima frio.

Os Peregrinos

Com sua migração diária através de encostas íngremes, as tribos do Monte Targon carregam o mínimo de pertences possível. Ferramentas e equipamentos pesados são armazenados ao redor da montanha e consertados ou refeitos quando necessário. Sistemas de roldanas amarradas ajudam a transportar os pertences de baixo para cima nas encostas.

O Cume

Nos raros casos em que um mortal digno alcança com sucesso o cume do Monte Targon, os céus se abrem em um espetáculo de auroras cósmicas. Poucos testemunham a cena radiante: acima das nuvens e abaixo das estrelas cintilantes, um raio de luz emerge do pico. Conta-se que, para além do topo da montanha, seres divinos imortais habitam uma cidade de ouro e prata.

Quase todos os sobreviventes que chegam ao pico de Targon não veem nada além de um cume vazio, rochoso e sem encantos. No entanto, nas raríssimas ocasiões em que os Aspectos escolhem um herói digno para agir como seu receptáculo mortal, conta-se que o próprio ar cintila com pó estelar enquanto um portal se abre sobre a montanha. Alguns dizem que, para além do véu, se enxerga um fantasmagórico contorno de uma cidade brilhante dourada e prateada, e que a luz divina brilha em cores vibrantes enquanto seres celestiais descem do Reino Celestial.